Nova Economia

O que são obrigações?

Nova Economia > O que são obrigações?

 

   

Uma obrigação é um instrumento de dívida em que um investidor empresta dinheiro a uma entidade em troca de juros periódicos até ao reembolso do capital na maturidade.


As obrigações são um instrumento de financiamento que serve como alternativa ao recurso à banca ou à emissão de acções. O detentor do título, chamado de obrigacionista, fica credor da instituição emitente. As obrigações podem ser emitidas por uma empresa, mas também por entidades públicas, pelo Estado ou ainda por uma instituição supranacional como o Banco Europeu de Investimento.

Na análise de uma obrigação há vários conceitos chave a saber:

  • O valor nominal é o valor facial do título.
  • O preço de emissão é o valor pago no momento da subscrição e que pode ser diferente do valor nominal. Se estiver acima do valor nominal diz-se que está acima do par, caso contrário está abaixo do par.
  • A taxa de juro pode ser fixa ou variável e designa-se por taxa de juro de cupão.
  • A periodicidade do pagamento é a frequência com que os subscritores recebem o juro, tipicamente semestral ou anual.
  • Uma obrigação tem também um prazo de maturidade na qual a obrigação vence, momento em que se dá o reembolso do empréstimo.

O emitente da obrigação compromete-se assim a devolver o valor nominal juntamente com os juros referentes ao período. As principais características das obrigações são o emitente e a taxa de juro. A garantia de receber a remuneração depende do emitente, ficando o obrigacionista exposto ao risco de crédito dessa entidade. A taxa de juro reflecte a remuneração, mas também o risco.

Há vários tipos de obrigações, nomeadamente:

  • obrigações de cupão zero nas quais os juros não são pagos periodicamente, mas sim no vencimento;
  • obrigações convertíveis que permitem a conversão em acções a um preço determinado e cuja cotação da acção também influencia a obrigação;
  • obrigações governamentais que são emitidas por um governo nacional para financiar a dívida pública;
  • obrigações perpétuas em que nunca é devolvido o valor nominal, mas que pagam sempre ao obrigacionista os juros dos cupões.